quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Desengano.

Você vive até evaporar e quando evapora parece que nada faz sentido
O que deixou de fazer, de pagar, de arrumar, de ouvir, de sentir, evapora também
A vivência é na carne, na roupa, na comida, no dinheiro
E o sentimento na alma, escondido na alma
Na carne as coisas materiais fazem  sentido, tocamos, contamos, trocamos, buscamos por isso
Com a morte tudo some, evapora, e o  imaterial, o sentimento tornam- se tão materiais que precisamos evaporar para perceber que o que conta é o que não tocamos, contamos e nem trocamos...

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Ondas.

É engraçado esse negócio de soltar
De soltar para as coisas acontecerem
Se a vida for mesmo esse toma lá da cá é só questão de exercício
Não um exercício comum, mas um exercício dos bons, diários
Dizem que o hábito faz o monge
Eu já classifiquei a volta do soltar como toma lá da cá, pode ser uma pontinha de maldade ou praticidade, não sei
Para aqueles rancores mais profundos, um sorisso amarelo deve ser um bom começo
Para os rancores mais profundos, um  exercício mental será muitíssimo necessário
Para aquela boa companhia de comentários afiados, ácidos e certeiros , pensamento neutro
Talvez eu chegue lá...

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Lamento.

E nesses dias de silêncio ela conseguiu ouvir
No começo ouviu as lágrimas e depois que cessaram, silenciou
Não valia a pena pronunciar o que ouvira
Resolveu seguir em frente com o silêncio
Mais tarde tentou ouvir novamente
E ouviu o lamento e se calou
Não valia a pena pronunciar o que ouvira
E resolveu seguir em frente com o silêncio
E depois de um tempo longo que caminhava com o silêncio, ouviu as dores
O silêncio a levara aquele mundo desconhecido
Escondido à luz do dia, e conhecido à luz da solidão
De dia caminha de cabeça erguida e de noite lamenta, chora baixinho, ouvindo o silêncio do coração...

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Dejavu.

Naquele instante que você vê que a vida passou
Naquele instante que você se toca que somos vulneráveis
Que não importa o dinheiro ou a falta dele no bolso, o fim chega para todos
Naquele instante que você pede para ficar um pouco mais, quer aproveitar mais, recuperar alguns momentos perdidos, coisas que só quem passou por esse instante sabe valorizar, recuperar
Naquele instante que você se toca que está velho, fraco que está mais para o fim ...
Mas ainda tem uma alegria tão grande dentro de si que consegue compartilhar tudo isso em um olhar...foi o que vi nos seus olhos

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

A vida é dura.

O mestre te põe a prova a cada tempo
Não poderá andar como um aprendiz a vida toda
A prova é o trabalho árduo, a travessia dura, a estrada esburacada, o mar revolto
Se não adquirir habilidades, aptidões
Se não colocar em prática os ensinamentos do mestre, andará em círculos
Ficará sempre para trás...e terá que recomeçar

Caixão.

E então chega o dia a hora do choque
Vamos parar debaixo da terra a sete palmos
Não adianta enfeitar, colocar uma roupa cara, maquiar
Há quem pense que fazendo essas coisas dará alguma dignidade ao defunto
Pobre ilusão
Até na hora da morte somos consumistas

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Sim e não.

Eu sei que o sim afrouxa e não ensina nada
E que o não edifica
Mas depois de dias de muitos nãos eu peço a Deus um sim
Eu sei que Ele me testa com esses nãos enviados, e que só com o não eu vou aprender alguma coisa
Eu sei que para Ele pode ser que não seja ainda o meu momento...
Mas eu estou pedindo humildemente...humildade que só os que acumulam muitos nãos possuem...

Paradinha

Tem hora que dá aquela parada em algum sentimento que paralisa
Uns dizem que seguir o fluxo é a solução para esse tipo de problema
Mas e a individualidade, e o amor  próprio
Não dá para seguir certos padrões, precisa se encaixar é o que dizem
E então vem a vontade de se isolar, de virar bicho do mato, de colocar a auto analise em dia, de ler um livro bom, escrever e as coisas vão se encaixando.

terça-feira, 27 de junho de 2017

Reciprocidade.

Naquelas noites ela contava nos dedos quantas pessoas podia contar
E incluia ela mesma na conta, afinal era boa companhia para ela mesma
Depois percebeu que as pessoas que podia contar contavam com ela também  e então entendeu a reciprocidade.  Somos uns reflexo dos outros damos o que recebemos ...recebemos o que damos

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Morte

E então ela surge e te leva
Homenagens em vida, gratidão
Homenagens em morte, em vão
É não se leva nada
Senão a gratidão
Porque tudo que ficar
Não adianta nem enterrar, desenterrar
Será tudo em vão...
Ocorreu um erro neste gadget